Paquistão

Cristã condenada à morte no Paquistão receberá ajuda da União Europeia

Zoom
Depois de alguns anos sem se manifestar, a União Europeia resolveu intervir na situação da cristã Asia Bibi. Recentemente, o órgão enviou Ján Figel, responsável pela liberdade de religião e crença da UE, ao Paquistão para conversar com oficiais paquistaneses a respeito da situação de Ásia.

Figel disse, aos oficiais, que a renovação dos contratos de exportação para Europa depende da liberação de Ásia. "Os países da União Europeia estão começando a acreditar que a Suprema Corte do Paquistão está intencionalmente atrasando a audiência de Asia Bibi para apaziguar certas forças políticas no país", contou o enviado da UE. A mulher continua presa, mas a União Europeia está otimista, pois cerca de 31% da exportação paquistanesa vai para Europa.

Condenação

Asia Bibi foi presa após beber água no mesmo recipiente que suas colegas de trabalho, que foram à polícia e a denunciaram por insultar o islamismo. Segundo as autoridades locais, o que desencadeou a prisão foi Asia ter dito às mulheres: "Meu Cristo morreu por mim. O que Maomé faz por você?". A fala da cristã é considerada crime, porque, de acordo com a lei paquistanesa, é errado "blasfemar contra o profeta Maomé".

Lei paquistanesa

No Oriente Médio, principalmente no Paquistão, blasfemar contra o islamismo é algo levado muito a sério. Salman Taseer, então governador de Punjab (província mais populosa do país paquistanês), foi morto, em 2011, por defender o fim da ‘lei da blasfêmia’ e pedir a justiça para salvar Asia Bibi. Mesmo com pressão internacional para modificar a legislação, existem grupos muçulmanos conservadores que se opõem fortemente à opinião estrangeira. O Paquistão ocupa o quinto lugar na Lista Mundial da Perseguição 2018.

Fonte: texto Por Gabriel Lacerda - Rede Super
           Com informações Portas Abertas
Foto: pixabay
Data: 07.03.2018


Publicidad

    Publicidad